Estúdio catalão RCR Arquitectes vence Pritzker 2017

O estúdio catalão RCR Arquitectes recebeu, este ano, o mais prestigiante galardão de arquitectura do mundo. O RCR dá privilégio à paisagem e procura ligar sempre o interior com o exterior.

494138693_770x433_acf_cropped

Rafael Aranda, Carme Pigem e o seu marido Ramon Vilalta, os três sócios-fundadores do estúdio catalão RCR Arquitectes, são os grandes vencedores do prémio Pritzker 2017, anunciou, esta quarta-feira, a Hyatt Foundation.

“O seu trabalho demonstra um compromisso inflexível com o lugar e a sua narrativa, para criar espaços que estão em sintonia com os respetivos contextos. Aranda, Pigem e Vilalta procuram conexões entre o exterior e o interior, resultando numa arquitetura emocional e experimental“, lê-se no comunicado, divulgado esta quarta-feira, a propósito dos vencedores deste que é o galardão mais importante da disciplina.

Tom Pritzker, chairman da Hyatt Foundation, salientou ainda que o trabalho destes três arquitetos é bastante diversificado: de espaços públicos a espaços privados, de espaços culturais a escolas.

Esta é a primeira vez que o Pritzker é atribuído a um trio. No comunicado, a fundação explica que o prémio lhes foi atribuído precisamente pelo sua forma “intensamente colaborativa de trabalho em conjunto”. E se é a primeira vez que o Pritzker vai para três arquitetos, é a segunda que vai para Espanha. A primeira vez que este galardão foi entregue a um espanhol foi em 1996 a Rafael Moneo.

“É uma grande alegria e responsabilidade. Estamos emocionados por termos sido reconhecidos”, reagiu Carme Pigem, numa breve declaração recolhida pela própria fundação que anunciou os vencedores, esta quarta-feira, em Chicago.

Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramón Vilalta conheceram-se na Escola de Arquitetura de Barcelona e foi depois de uma viagem ao Japão que decidiram começar a trabalhar juntos, tendo erguido o estúdio RCR Arquitectes, em Olot, na Catalunha, em 1988.

“Cada vez mais pessoas têm medo que a influência internacional nos leve a perder os nossos valores locais, a nossa arte local e os nossos costumes locais…Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta mostram-nos que é possível ter ambas. Eles ajudam-nos a ver, da maneira mais bela e poética, que a resposta à questão não é “ou” e que nós podemos, pelo menos na arquitetura, aspirar a ter as duas coisas; as nossas raízes firmes no lugar e os nossos braços estendidos para o resto do mundo”, lê-se no comunicado.

A fundação destaca algumas das obras deste estúdio como La Cuisine Art Center (em Nègrepelisse, França), o Museu Soulages em colaboraçao com G. Trégouët (em Rodez, França), La Lira Theater Public Open Space em colaboração com J. Puigcorbé (Ripoll, Girona, Espanha) e o El Petit Comte Kindergarten em colaboração com J. Puigcorbé (Besalú, Girona, Spain, 2010).

fonte: http://observador.pt

Comentar artigo

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s